Feliz Dia dos Namorados!

Olá, leitor!

Em homenagem ao dia dos namorados, aqui vai um post bem especial e descontraído relacionando o tema de nosso blog a esta data comemorativa.

Bruno e Laura viviam um conto de fadas no início de seu relacionamento. A comunicação entre os dois era equilibrada, como uma via de duas mãos; se Laura falava, Bruno escutava, e vice-versa.

Era o relacionamento visto como perfeito pelas pessoas que observavam de fora, moldado pela uniformidade e compreensão. Bruno e Laura eram semelhantes, embora diferentes, pois o respeito era mútuo e os dois agiam de igual para igual. Entendiam que, assim como qualquer outra relação no mundo, era preciso que houvesse colaboração por parte dos dois.

E assim o caminho foi sendo trilhado. O tempo foi passando…

E a comunicação, se desgastando.

Os interesses de Bruno e Laura pareciam entrar em conflito constantemente. Laura começou a cobrar demais, e Bruno passou a retribuir de menos. Quanto mais Laura queria que Bruno comunicasse cada passo seu, mais ele se afastava dela e fazia questão de não dizer absolutamente nada.

O que era o relacionamento perfeito, se transformou em um verdadeiro pesadelo. E isso levou ao fim do namoro.

Essa pequena história pode soar um tanto sem sentido no contexto desse blog, uma vez que ele gira em torno da comunicação interna e da arte de ouvir.
Mas isso é apenas uma analogia à relação funcionário-empresa.

No começo, quando o funcionário entra para o corpo de empregados de uma organização, ou quando esta acaba de colocar em prática seu planejamento de comunicação, é tudo perfeito, lindo e maravilhoso. E parece que vai continuar assim para sempre, ou pelo tempo que tiver que durar.

Mas se não houver uniformidade na comunicação, se a empresa não souber escutar seu funcionário e muito menos se comunicar com ele, então essa relação tende apenas a desandar. A lua-de-mel pode se transformar em um divórcio muito mais rapidamente do que se espera, justamente por não haver um equilíbrio entre as duas pessoas que compõem esse relacionamento. Por isso é bom falar, assim como é ainda melhor escutar. Mas lembre-se que em uma relação, falar demais ou escutar demais não é sinônimo de balanço e sim de desequilíbrio.

Se uma organização exige extrema transparência de seu funcionário, então ela deve retribuí-lo da mesma forma. Se uma organização quer ouvir mais, ela precisa entender que seu funcionário também quer. É um ciclo eternamente vicioso. A organização fala, o funcionário escuta e toma um posicionamento, apresenta um feedback, e organização o ouve, e assim por diante.

A comunicação é a peça chave para qualquer relação funcionar. Mas não basta apenas implantá-la. Ela precisa ser mantida e muito bem cuidada com o decorrer do tempo. É assim para um namoro, para uma relação funcionário-empresa, e para qualquer outro tipo de relacionamento.

Tenham um feliz dia dos namorados!

Vitória Barbara

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s