Arquivo do autor:Rodrigo Sérvulo

Bem-vindos à Arte de Ouvir!

 

Olá leitor! Este é o nosso primeiro post aqui e nada mais propício do que estrear um blog sobre habilidade de ouvir com um texto falado, não é mesmo? Nosso blog se propõe como um espaço livre de discussão acerca a importância e prática de ouvir bem no cotidiano organizacional.

Nas eras mais primitivas, quando o ser humano começou a organizar-se em grupos cada vez maiores, o fez por ter desenvolvido sistemas de comunicação próprios, aprimorando a fala e a sua habilidade de ouvir. Desde então, acrescentamos e descartamos diversos meios de comunicar-se ao simples diálogo presencial. Telefone, internet, correio e telégrafo são alguns exemplos de que, não obstante o meio, o modus operandi de trocar informações, ideias e opiniões permanece inalterado.

Faz-se sempre necessária a presença de um emissor e um receptor para a transmissão de uma mensagem. É papel do emissor, saber direcionar seu discurso de modo a repassar sua mensagem da maneira mais assertiva possível. O receptor, porém, também tem sua parte a cumprir. Aqueles que escutam com minúcia, paciência, vontade e sapiência podem elaborar um discurso melhor direcionado quando inverter-se o processo comunicacional. Assim, renovando a importância de saber ouvir bem.

Aqui você vai familiarizar-se com as vantagens de ser um bom ouvinte na vida profissional, beneficiar-se com dicas para ouvir bem e fugir de enrascadas, explorar as diversas vertentes dessa ação tão simples e descobrir que ouvir é uma arte.

Rodrigo Sérvulo

Olá leitor! Este é o nosso primeiro post aqui e nada mais propício do que estrear um blog sobre habilidade de ouvir com um texto falado, não é mesmo? Nosso blog se propõe como um espaço livre de discussão acerca a importância e prática de ouvir bem no cotidiano organizacional.

Nas eras mais primitivas, quando o ser humano começou a organizar-se em grupos cada vez maiores, o fez por ter desenvolvido sistemas de comunicação próprios, aprimorando a fala e a sua habilidade de ouvir. Desde então, acrescentamos e descartamos diversos meios de comunicar-se ao simples diálogo presencial. Telefone, internet, correio e telégrafo são alguns exemplos de que, não obstante o meio, o modus operandi de trocar informações, ideias e opiniões permanece inalterado.

Faz-se sempre necessária a presença de um emissor e um receptor para a transmissão de uma mensagem. É papel do emissor, saber direcionar seu discurso de modo a repassar sua mensagem da maneira mais assertiva possível. O receptor, porém, também tem sua parte a cumprir. Aqueles que escutam com minúcia, paciência, vontade e sapiência podem elaborar um discurso melhor direcionado quando inverter-se o processo comunicacional. Assim, renovando a importância de saber ouvir bem.

Aqui você vai familiarizar-se com as vantagens de ser um bom ouvinte na vida profissional, beneficiar-se com dicas para ouvir bem e fugir de enrascadas, explorar as diversas vertentes dessa ação tão simples e descobrir que ouvir é uma arte.